Preview…

Essa semana foi interessante… tentando voltar ao ritmo de aula… mas com as matriculas de hoje, ainda não voltei…

Mas mais que isso… tentando voltar ao ritmo de militância de outros momentos… não fácil… obviamente não fácil, mas tá bom… como disse uma pessoa, “pra militar, precisamos de paixão”. Talvez, em outros momentos, me faltou um pouco, mas agora, estou muito feliz nesse momento… será muito difícil, mas vai valer a pena…

No mais, o preview é de um poema que deve ser publicado em um jornal da universidade em pouco tempo… tomara que gostem… aliás, a semelhança com um poema do Mauro Iasi, é efetivamente mera semelhança… depois li e percebi a proximidade de um pedaço… ainda que seja um poema dele que eu goste bastante…

Coisa triste

Ricardo Costa – “Xis”

Triste…
Estou triste
meu coração,
apertado
por um mundo de coisas
e quanto mais eu entendo o mundo
mais, ainda mais
ele me aperta
sufoca
comprime
Estou triste
mas não por mim
não só por mim
triste pelos meus
por quem faz tudo
todo o mundo
e esse, como está
só faz em coisas
todos, tudo

Estou triste
porque o mundo está forte
e com força faz de tudo
pra ficar como está
a inércia tenta se impor
sobre o movimento
a luta

Estou triste
tão triste
que me faço feliz
porque sei
que sou humano
porque coisas
ah, as coisas
não ficam tristes

Anúncios

Homenagem…

Homenagem singela minha, ao poeta Mario Benedetti, que conheci pouco da obra, mas que tem excelentes poemas… fica abaixo o seu poema que me conquistou e me fez procurar mais de sua obra…

Mario Benedetti, uruguaio, morreu hoje em Montevidéu, aos 88 anos.

“E uns lutam por toda a vida / E esses são imprescindíveis” (B. Brecht, trecho)

TRANSGRESSÕES

Todo mandato é minucioso
e cruel
eu gosto
das frugais transgressões

por exemplo inventar o bom
amor
aprender
nos corpos e em seu corpo

ouvir a noite e não dizer
amém
traçar
cada um o mapa de sua audácia

mesmo que nos esqueçamos
de esquecer
é certo
que a recordação nos esquece

obedecer cegamente deixa
cego
crescemos somente na ousadia

só quando transgrido alguma
ordem
o futuro se torna respirável

todo mandato é minucioso
e cruel
eu gosto
das frugais transgressões